Educar & Empreender

Como NÃO estimular a criatividade do seu filho

Publicado em 19/08/2013

Como os educadores NÃO empreendedores acabam com a criatividade das crianças?

Acreditem, é mais comum do que imaginamos cenas como a que descrevo a seguir…

A criança volta da casa de um amiguinho onde assistiu um filme de época no qual guerreiros travavam batalhas montados em seus cavalos e chegou em casa com a imaginação transbordando… Pegou a vassoura, “montou no cavalo”, e sai pela casa imitando as cenas que acabara de ver.

                          

A mãe, arrancando a vassoura da criança:

- Vá brincar com outra coisa, isso não é brinquedo!

A criança “cai do cavalo” nos dois sentidos da expressão…

Num outro momento, a mãe vai a um compromisso de adultos com seu filho como uma reunião, uma missa ou qualquer outro evento que a criança necessite ficar sentada e quieta por mais de uma hora. Vendo seu filho irrequieto, pega um objeto qualquer, uma caneta, um folder, um livreto e diz:

- Brinca com isso aqui.

Agora é a vez da criança pensar…

- Mas isso não é brinquedo…

Adultos às vezes podam a criatividade da criança sem necessidade, muitas vezes a mãe nem ia usar a vassoura naquele momento… E depois quer que elas sejam criativas quando lhes convém… Confuso, não?

Sucesso aos Pais e Professores Empreendedores!

Até o próximo post!

Isabela Minatel Bassi

isaminatelbassi@yahoo.com.br

Fonte: Blog Educação e Empreendedorismo

 

Nossos filhos e alunos se comportam a partir de sua percepção do mundo e não do mundo em si

Publicado em 31/07/2013

Olá, Pais e Professores Empreendedores!

E para ter sucesso com a EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA, é muito importante pensar que:

- Nossos filhos/alunos se comportam a partir de sua percepção do mundo e não do mundo em si.

E NÓS TAMBÉM! – Em Programação Neurolinguística se diz: “o mapa não é o território”.

Isso quer dizer que, quando julgamos inadequado o comportamento deles, antes de tomar qualquer ação, é importante entender qual foi a percepção deles para que decidissem agir como agiram. Isso nos ajuda a:

- conhecer melhor nossos filhos/alunos;

- sermos mais justos e adequados na orientação;

- usarmos os argumentos que fazem sentido para eles e os sensibilizam a mudarem.

E às vezes, vamos até dar razão a eles e abrir a nossa mente para outras formas de ver a mesma situação.

Veja os diferentes pontos de vista nas imagens abaixo:

 

 

                                                              

 

                                                                       

  

                                                                

                                                                     

Sucesso aos Pais e Professores Empreendedores!

Até o próximo post!

Isabela Minatel Bassi

isaminatelbassi@yahoo.com.br

Fonte: Blog Educação e Empreendedorismo

 

Um Negócio Para Chamar de Meu. Gleide, a boleira

Publicado em 27/06/2013

Olá, Pais e Professores Empreendedores!

Neste post eu conta a história de uma pequena empreendedora: a boleira Gleide de Central Carapina – Serra – ES.

Esta baiana, natural de Teixeira de Freitas, conta como tudo começou…

“Fiz meu primeiro bolo aos doze anos para o dia dos professores. Não ficou muito bom, mas a turma toda comeu sem reclamar.

Aos 19 anos, mãe solteira e precisando trabalhar para nosso sustento, fiz o bolo de aniversário de 40 anos da minha mãe.

Passou mais um tempo e fiz mais um bolo. Desta vez para o aniversário da minha irmã de 16 anos.

A partir daí comecei a ter encomendas de amigas. – BUSCA DE OPORTUNIDADE E INICIATIVA.

Casei, tive meu segundo filho, mas… eu queria mais da vida profissional!

Então fui estudar, concluí o ensino médio e comecei a comprar revistas de receitas de bolo e decoração. – BUSCA DE INFORMAÇÃO.

Aproveitava para mostrar meus trabalhos nos aniversários de mês filhos. Com isso eu conseguia encomendas de bolos, doces, salgados e tortas. – PERSUASÃO E REDE DE CONTATOS.

A grana dos bolos ainda era curta então voltei a trabalhar como doméstica para complementar a renda de casa. – PERSISTÊNCIA.

Uma coisa que sempre tive em mente foi a questão da RESPONSABILIDADE SOCIAL, então eu era voluntária pelo MEC no programa do governo Escola Aberta. Lá eu era faxineira, ensinava bordados e bijuterias para adolescentes de 10 a 14 anos. – EMPREENDEDORISMO SOCIAL.

Tive mais um bebê e decidi que ia investir mais forte no meu empreendimento de bolos. Fiz um curso de Confeitaria e Panificação de 100h e depois fiz Informática. – BUSCA DE INFORMAÇÕES.

Tudo isso eu fazia sempre pensando num grande sonho: fazer faculdade de Serviço Social. – ESTABELECIMENTO DE METAS.

Foi então que minha vida virou de cabeça para baixo. Meu marido fez uma cirurgia no joelho e, como é motorista, ficou afastado pelo INSS recebendo bem menos que seu salário. Entrou numa depressão muito grave.

O que ele recebia do benefício mal dava para pagar as contas! Fomos morar numa casa cedida pelos meus sogros. E meu filho de 15 anos começou a trabalhar para ajudar.

Foi então que decidimos investir no meu empreendimento como a principal fonte de renda de nossa família. Comecei a fazer salgado em grande quantidade e divulgar. Criei uma página no Facebook chamada Delícias da Vida.

Atualmente:

- Entregamos 3 bolos grandes por sábado mais os pequenos de 3kg.

- Contratei minha irmã para ajudar na produção.

- Com medo, comprei um freezer, uma fritadeira, uma batedeira mais potente e outros utensílios. – CORRER RISCOS CALCULADOS.

- Colocamos também uma barraca na pracinha na Feira de Oportunidades para vender bolos, tortas e salgados. – BUSCA DE OPORTUNIDADE E INICIATIVA.

- Conseguimos montar uma barraca de churrasquinho para o meu filho mais velho.

Como última lição, quero dizer que: os valores vêm de uma base familiar estruturada e isso meus filhos têm, por isso não tenho problema com eles, ao contrário, eles acham o máximo ter uma mãe que faz coisas deliciosas. Por isso meu negócio se chama DELÍCIAS DA VIDA.”

É ou não é uma história linda de PERSISTÊNCIA, DETERMINAÇÃO e ATITUDE?

Meu desejo é que a sua meta da faculdade seja alcançada em breve, Gleide!

DICA AOS PROFESSORES: Retirem os comportamentos destacados no texto e peçam aos alunos para que identifiquem em grupos.

Você também pode empreender!

Quando vai ter “um negócio pra chamar de seu?”

Sucesso ao Delícias da Vida, à Gleide e sua família, aos Pais e Professores Empreendedores!

Até o próximo post!

Isabela Minatel Bassi

isaminatelbassi@yahoo.com.br

Fonte: Blog Educação e Empreendedorismo

Victor, Empreendendo aos 10 anos de vida

Publicado em 03/06/2013

Olá, Pais e Professores Empreendedores!

O que você faria se tivesse 10 anos e desejasse comprar uma bicicleta?

Não! Os pais não podem dar de presente…

Conheça a história de empreendedorismo do Victor que, vendendo salgadinhos no estádio que o pai o levava para lazer, já comprou sua bicicleta e agora está trabalhando para atingir sua nova meta: um Playstation!

Alguém tem dúvida sobre o futuro deste menino?

São menos de 5 minutos de vídeo e uma lição pra vida toda de META e PERSISTÊNCIA!

Quem assume o controle de sua vida, escreve a própria história!

E o Victor não perdeu tempo: enquanto conversávamos, uma das professoras que estava participando da capacitação que eu estava ministrando (gravei com o Victor durante as atividades da capacitação) perguntou se ele tinha levado os salgadinhos para vender. A resposta foi:

- Se você esperar um pouquinho eu vou rapidinho ali na casa do meu avô e pego. (Depois fiquei sabendo que era super longe a casa do avô dele.)

Aí a professora disse que ligaria para a mãe dele para perguntar se ele podia ir.

- Ela deixa, sim, tia! – Foi a resposta rápida.

Depois disso, com os produtos na mão, aproveitou a oportunidade:

 

 

 

 

 

 

 

 

E a expressão de felicidade, de bagunceiro como criança deve ser e os olhinhos brilhando ao final do dia com o resultado do seu trabalho, que o aproximava de sua nova meta, foi lindo de ver:

 

 

 

 

 

 

 

 

Para mim, teve um significado todo especial conhecer o Victor pois ele é fruto indireto de um trabalho que eu participo. Ele teve essas ideias após participar das aulas do curso “Jovens Empreendedores Primeiros Passos” na rede municipal de Pinheiros – ES e essa é uma metodologia do Sebrae de ensino de EMPREENDEDORISMO que eu ministro capacitação aos professores.

Este ano eu estive lá pela 2ª vez capacitando professores e foi um sucesso!

Parabéns, Victor! Obrigada por ser a prova viva de que o meu trabalho produz resultados!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sucesso aos Pais e Professores Empreendedores!

Isabela Minatel Bassi

isaminatelbassi@yahoo.com.br

Fonte: Blog Educação e Empreendedorismo

 

A importância do RECONHECIMENTO na Educação Empreendedora

Publicado em 21/05/2013

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parte I 

Olá, Pais e Professores Empreendedores!

A vida, às vezes, nos reserva amigos-anjos. Aqueles que aparecem quando você está no “olho do furacão” e, com algum conselho ou apoio, conseguem te fazer sair dele. Estou falando da Cecília Bettero, minha grande amiga que, quando eu estava sofrendo muito com os 8 meses sem dormir do meu bebê pequeno, me introduziu no mundo das literaturas sobre educação comportamental.

Foi ela também que sugeriu o conteúdo que abordo no post de hoje e nos que se seguem falando sobre “RECONHECIMENTO”.

Neste primeiro post, vamos esclarecer:

O que é RECONHECIMENTO?

“É um estímulo intencionalmente enviado com o objetivo de reconhecer a presença do outro.”

Como explicarei nos próximos posts, o RECONHECIMENTO pode ser:

POSITIVO ou NEGATIVO quanto ao seu OBJETIVO;

CONDICIONAL ou INCONDICIONAL quanto à ACEITAÇÃO;

AUTÊNTICO ou COM INTENÇÕES quanto à sua INTENÇÃO;

VERBAL ou NÃO-VERBAL quanto à forma.

O RECONHECIMENTO pode ainda ser avaliado quanto ao seu EFEITO e sua POTÊNCIA.

Vale destacar que o desenvolvimento físico, mental e social são prejudicados com a ausência de estímulos e contato físico.

O RECONHECIMENTO PODE ALAVANCAR OU DESTRUIR UMA VIDA!

É IMPORTANTE TOMARMOS CONSCIÊNCIA DISSO.

Sucesso aos Pais e Professores Empreendedores!

Até a próxima na explicação sobre RECONHECIMENTO POSITIVO e NEGATIVO!

Isabela Minatel Bassi

isaminatelbassi@yahoo.com.br

Fonte: Blog Educação e Empreendedorismo

Consumismo Infantil: TER ou não SER... Eis a questão

Publicado em 08/05/2013

Olá, Pais e Professores Empreendedores!

Como está o nível de consumismo de seus filhos/alunos?

Como fazer uma Educação Empreendedora neste assunto?

O melhor mesmo é praticar o comportamento empreendedor de BUSCA DE INFORMAÇÕES e saber o que pode e o que não pode ser feito neste aspecto.

Você sabia que

As crianças são público alvo de diversos anúncios publicitários. A oferta e publicidade de alimentos com brindes é um exemplo de como as crianças são influenciadas em seus hábitos alimentares.

Este é um assunto que nos leva a pensar (e rever, em alguns casos) sobre os valores que estão absorvendo nossos filhos/alunos.

Qual a relevância do SER e do TER na mente deles?

O que é mais importante?

Ou será que eles também estão seguindo a célebre frase de Shakespeare:

“SER ou não SER... Eis a questão.”

Sucesso aos Pais e Professores Empreendedores!

Isabela Minatel Bassi

isaminatelbassi@yahoo.com.br

Fonte: Blog Educação e Empreendedorismo

 

 

 

Deixe seu filho ou aluno ERRAR

Publicado em 04/05/2013

 

Olá, Pais e Professores Empreendedores!

É verdade que aprendemos errando?

Quando alguém te explicou como fazer algo em algum programa de computador, depois você teve que fazer sozinho… você conseguiu?

E quando você ficou horas batendo a cabeça até descobrir sozinho pelos erros como fazia? Aposto que nunca mais esqueceu!

E com nossos filhos/alunos é da mesma forma… A questão é: o quanto somos tolerantes com os erros que produzem aprendizado aos nossos filhos/alunos?

Segue um caso da minha experiência particular com meu filho para reflexão:

“A gente pode até achar que é só bagunça e lambança, mas enquanto suja e molha a casa toda, a criança aprende!

O Petrus, meu filho de 1 ano e 8 meses, começou a brincar com os copos em cima da pia, enchendo-os de água e esvaziando-os milhares de vezes. Até que decidiu beber a água e aí começou um processo longo de tentativas.

Ele achava que poderia beber o líquido colocado os lábios superior e inferior juntos dentro do copo. Isso fez com que derrubasse muita água pela cozinha toda. Não interferi pois percebi que ele continuava tentando. Nem preciso dizer que, além da cozinha, ele também ficou ensopado, né…

O fato é que, depois de muita água caída, ele percebeu sozinho que poderia encaixar o copo entre os lábios e que isso lhe permitia beber a água sem derramar. Excelente! Depois disso ainda se confundiu algumas vezes, mas logo repetiu o acerto por várias vezes, consolidando o novo aprendizado que eu tive oportunidade de ver acontecer “de camarote”!

Quantos aprendizados espontâneos mais aconteceriam se oportunizássemos, ou ao menos permitíssemos que as crianças vivenciassem livremente as suas experiências?”

Sucesso aos Pais e Professores Empreendedores!

Isabela Minatel Bassi

isaminatelbassi@yahoo.com.br

Fonte: Blog Educação e Empreendedorismo

Mãe Empreendedora

Publicado em 23/04/2013

Aqui vai uma história real de empreendedorismo na qual vou destacar os comportamentos empreendedores apresentados pela protagonista.

Dizem que “a Internet é o que você faz dela”. Vejam o que esta mulher fez…

Essa é a história de uma mãe que decidiu mudar a filha de escola, pois ela havia sofrido bullying, e a nova escola custava 12 mil libras (R$ 40 mil por ano) – isto é ESTABELECIMENTO DE META.

A NECESSIDADE foi motivadora para Julie Deane.

Inspirados pelo livro do “Harry Potter”, seus filhos lhe pediram bolsas de couro iguais às dos personagens. Como boa empreendedora, ela percebeu aí uma boa OPORTUNIDADE e teve a INICIATIVA de produzir as bolsas… E assim surgiu a “Cambridge Satchel Company” – isto é BUSCA DE OPORTUNIDADE E INICIATIVA.

O começo

Julie fundou a “Cambridge Satchel Company” em sua cozinha em 2008 ao lado de sua mãe.

“Foi um destes negócios que foram fundados à partir de uma necessidade porque precisava juntar dinheiro para a escola de minha filha, que estava sofrendo bulling na escola atual. Eu prometi para ela, e quando você promete algo para uma criança, não há volta.”

Com esta fala ela demonstra grande COMPROMETIMENTO.

Construindo o negócio

Decidida pelas bolsas de couro, Deane sentou-se na mesa da cozinha e começou a procurar no Google por fabricantes de bolsas de mão, produtores de peças de couro, fornecedores de couro e qualquer outro fornecedor que pudesse produzir algo a partir de um “sketch” para ela – isto é BUSCA DE INFORMAÇÕES.

Ela vasculhou toda a internet para ter certeza que ninguém estava fazendo o mesmo que ela – “Competitor Analysis”.

Achado o produtor da peça, Julie começou a trabalhar no protótipo – isto é PLANEJAMENTO.

Com a peça em produção, o próximo passo era construir um website.

Eu não sabia nada de websites, mesmo.“, diz Deane. “Mas pensei, não deve ser difícil, deve haver um curso online.” Ela achou um curso e passou 2 noites acordada aprendendo, na terceira noite fez o site. Hoje, ela dá palestras para estudantes sobre empreendedorismo, e diz a eles: “Você não precisa pagar ninguém para fazer seu site, SEO ou Adwords… isso é preguiça.” – isto é INDEPENDÊNCIA E AUTOCONFIANÇA.

Deane colocou seu site e produto em toda lista grátis que podia, das páginas amarelas e blogs de mães até o Etsy e o E-bay – isto é PERSUASÃO E REDE DE CONTATOS.

Quando começou a vender peças nas cores caramelo, marrom escuro e preto, Deane começou também a engajar seus consumidores. Ela pedia a seus compradores que enviassem uma foto de suas bolsas e escrevessem um depoimento sobre o site se tivessem gostado do produto - isto é PERSUASÃO E REDE DE CONTATOS (e enviar de volta o produto se não gostassem). Ela sempre acreditou que um bom review poderia aumentar a credibilidade de seu negócio e encorajar novos consumidores a comprar – isto é COMPROMETIMENTO.

Alguns compradores comentaram sobre suas paixões por blogs de moda, o que mostrou um novo mundo a empreendedora.

Engajando-se com blogs de moda

“Eu não podia imaginar que as pessoas iam a blogs de moda com tanta frequência”.

Deane resolveu escrever pra um blogueiro. Contou ao mesmo sobre sua empresa e enviou-lhe uma foto com esperança de que houvesse interesse. Ela disse que não poderia enviar uma amostra –”…talvez em 1 ano se tudo for bem, mas enquanto isso, aqui vai uma foto” – isto é BUSCA DE OPORTUNIDADE E INICIATIVA.

Quando o produtor de couro trabalhou em um projeto usando couro tingido de vermelho e azul marinho, Deane fez alguns modelos coloridos. Ela nunca tinha produzido peças coloridas antes pois o pedido mínimo era equivalente a seis meses de vendas.  ”Se eu escolhesse a cor errada, não seriam boas notícias para a escola de minha filha.” – isto é CORRER RISCOS CALCULADOS.

“No momento que coloquei-as a venda elas sumiram e ficou claro que este era o caminho”

Deane trabalhou agressivamente com blogueiros e fashionistas patrocinando-os e presenteando-os com modelos de suas coleções. A “Cambridge Satchell” construiu um forte relacionamento com esta classe, inclusive produzindo peças sob medida, o que fez seu produto aparecer - isto é PERSUASÃO E REDE DE CONTATOS.

A Cambridge Satchel virou uma febre entre os fashionistas e a empresa cresceu graças a social media e o “boca-a-boca” em blogs especializados.

Em Setembro de 2011 a “Elle” do Reino Unido entrou em contato, pedindo uma peça brilhante para um novo “trend” fluorescente que estava por vir. Deane produziu as peças e enviou à blogueiros que estivessem cobrindo a semana de moda de Nova York – isto é BUSCA DE OPORTUNIDADES E INICIATIVA.

“Quando as luzes se apagaram e começaram os desfiles, as bolsas pularam”, diz Deane. “Assim ficamos famosos; o “New York Times” e o “New York Post” nos chamaram do “estilo de rua na semana de moda de Nova York”.

O sucesso no fashion week em 2011, atraiu grandes varejistas como a Sacks e Bloomingdales que trouxeram o produto as vitrines chamando-o de “ The Brit it bag” durante o Fashion Week em fevereiro de 2012.

E o Google ligou pra ela

A Cambridge Satchel estrelaria um dos filmes da campanha do Google “A internet é o que você faz dela.”

Hoje, a Cambridge Satchels vende em mais de 190 pontos de venda, está presente em 100 países, e fatura aproximadamente 16 milhões de dólares por ano.

E você, o que anda fazendo da internet na sua vida?

Dica aos professores 1: apresentem o case acima sem as informações dos comportamentos empreendedores e peçam aos alunos que identifiquem.

Dica aos professores 2: utilizem o case para provocar a reflexão sobre o uso da internet.

Isabela Minatel Bassi

isaminatelbassi@yahoo.com.br

Fonte: Blog Educação e Empreendedorismo

10 dicas sobre como usar o crowdfunding na educação

Publicado em 20/04/2013

 

1. Ajudinha nas taxas - SmartMe: fundos para livros, taxas de alojamento, alimentação e matrícula. Em troca se comprometem a manter a média escolar, realizar trabalho voluntário em ONG e outros.

2. Bolsas universitárias e de ensino médio - Education Generation: Interessados podem ajudar alunos a conseguirem completar o ensino médio ou a faculdade.

3. Pesquisa científica ou acadêmica - Microzyra: dinheiro para pesquisas e compartilhamento dos resultados.

4. Criar a própria plataforma - GoFundMe: modelos personalizados de plataforma para alunos buscando bancar seus estudos e professores tentando financiar viagens pedagógicas.

5. Ferramenta pedagógica - Vakinha: Em Grajaú-SP, alunos gravaram vídeo para arrecadar recursos para tintas, sprays e papeis. RESULTADO: substituição das lixeiras pretas por outras mais divertidas.

6. Projetos para a comunidade - Trabalhos no bairro, unindo pais e comunidade podem se tornar projetos para crowdfundings.

7. Financiamento ao contrário - Kiva.org: os alunos é que financiam projetos.

8. Educação empreendedora - Professores podem trabalhar os temas: financiamento coletivo, criatividade, processo de divulgação de sua vida e até mesmo responsabilidade social.

9. Organização social - Aproveitando o crowdfunding para ajudar o próximo, um grupo de nove estudantes dos EUA criou o ReadySetLaunch que prepara estudantes de baixa renda para a universidade.

10. Startup - Upstart: O estudante recebe ajuda financeira e orientação sobre como ir atrás de sua meta. Após inseridos no mercado, os estudantes pagam a startup.

Isabela Minatel Bassi

isaminatelbassi@yahoo.com.br

Fonte: Blog Educação e Empreendedorismo

A Origem dos Comportamentos Empreendedores

Publicado em 14/04/2013

 

Um pesquisador chamado David McClelland ficou intrigado em descobrir: “Por que algumas pessoas tinham sucesso em suas empreitadas e outras não?”

1ª hipótese: Porque algumas têm DINHEIRO e outras não!

Foi então que ele encontrou muitas pessoas que empreendiam sem dinheiro e ainda assim conseguiam ter sucesso, o que derrubou a 1ª hipótese.

2ª hipótese: Porque algumas têm INSTRUÇÃO/CONHECIMENTO e outras não!

Mas aí ele também encontrou muitas pessoas que empreendiam sem instrução/conhecimento e que também conseguiam ter sucesso.

Você conhece alguém assim? Sem dinheiro e sem estudo e que teve sucesso?

O pesquisador percebeu ainda que algumas pessoas às quais eram dadas acesso a créditos e instruções gerenciais muitas vezes fracassavam em suas empreitadas…

O QUE SERIA ENTÃO RESPONSÁVEL POR DETERMINAR O SUCESSO DAS PESSOAS EM SEUS EMPREENDIMENTOS???

A resposta é comportamental. Os COMPORTAMENTOS EMPREENDEDORES dos indivíduos é que podem fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso de cada um. E não pense que empreendimento seja somente a abertura de um negócio próprio, não. Empreendimento pode ser sua carreira, a educação de seus filhos ou alunos, a gestão de seus relacionamentos ou qualquer desafio em sua vida.

Ocorre que a educação tradicional às vezes nos orienta a gastar muito mais tempo ensinando coisas pouco relevantes à formação do indivíduo para que seja bem-sucedido em sua caminhada de vida.

A minha proposta é que eduquemos nossos filhos/alunos pensando em desenvolver neles os 10 COMPORTAMENTOS EMPREENDEDORES que são:

1- ESTABELECIMENTO DE METAS – Quantos de nossos filhos/alunos não tem nem ideia do que querem para suas vidas no futuro? Se trabalharmos esta questão desde cedo com eles, podemos mudar este quadro.

2- PLANEJAMENTO E MONITORAMENTO SISTEMÁTICO – Importantíssimo já que a Geração Y quer tudo prá ontem e já que no Brasil impera a cultura do “FAZEJAMENTO”.

3- BUSCA DE INFORMAÇÕES – E não só da internet! Mostrar aos nossos filhos/alunos que a qualidade das informações conseguidas in loco pode ser determinante para uma boa tomada de decisão.

4- BUSCA DE OPORTUNIDADE E INICIATIVA – Não é só aproveitar a oportunidade que vier, é ir buscá-la, criar, fazer acontecer, “tirar a bunda da cadeira”!

5- CORRER RISCOS CALCULADOS – Aprender a prever o que pode dar errado e já agir antecipadamente.

6- EXIGÊNCIA DE QUALIDADE E EFICIÊNCIA – Fazer bem-feito, da melhor maneira, com o menor custo possível e no menor tempo possível.

7- PERSISTÊNCIA – Tão fundamental aos nossos jovens que, muitas vezes, acabam desistindo de seus quereres no primeiro obstáculo. Conhece algum caso? (Comente!)

8- COMPROMETIMENTO – Comprometer-se consigo mesmo, com suas metas, com seu futuro, com sua carreira. Está faltando comprometimento aos nossos jovens? E o que estamos fazendo para desenvolverem?

9- PERSUASÃO E REDE DE CONTATOS – Como tirar o melhor proveito ético e respeitoso das relações e da comunicação para o alcance daquilo que se deseja.

10- INDEPENDÊNCIA E AUTOCONFIANÇA – Fazer os nossos filhos/alunos perceberem que, embasados nestes comportamentos, podem se sentir independentes e autoconfiantes para serem o que desejarem!

Inserindo estes ingredientes na receita de educação certamente teremos a chance de lançar ao mundo seres humanos mais capacitados a fazerem sua vida acontecer e não somente a seguir o refrão do Zeca: “Deixa a vida me levar, vida leva eu…” evitando, assim, chegar a um lugar onde não queria… Ou pior: não chegar a lugar algum!

E VOCÊ, SABE COMO VÃO AS SUAS CARACTERÍSTICAS EMPREENDEDORAS? 

FAÇA O TESTE PARA DESCOBRIR.

 

Isabela Minatel Bassi

isaminatelbassi@yahoo.com.br

Fonte: Blog Educação e Empreendedorismo